Advogado é assassinado com três tiros dentro do próprio escritório

0
64
Print Friendly, PDF & Email

 

A Delegacia de Homicídios de Florianópolis identificou o principal suspeito de assassinar a tiros nesta quinta-feirao advogado Paulo Cesar Martins, 47, em seu próprio escritório. Ele ainda não foi localizado. A polícia afirma que trata-se de um homem que o advogado conhecia, e que era acionado judicialmente por ele a pedido de um cliente. O advogado levou três tiros à queima-roupa ao abrir a porta do seu escritório, no terceiro andar do Edifício Canadá, na Rua Marechal Guilherme, no Centro. Os tiros atingiram uma das mãos, o tórax e o abdômen. A vítima chegou a ser atendida pelo Samu, mas morreu 10 minutos depois.

O suposto atirador usou uma pistola e foi filmado pelas câmeras do circuito interno do prédio. Ele subiu pelo elevador e desceu calmamente pelas escadas. O delegado da Delegacia de Homicídios, Ênio de Oliveira Matos, confirmou que o suspeito foi identificado graças à filmagem do edifício e que ninguém testemunhou o crime. O advogado estava sozinho no escritório. Ele também morava no local de trabalho. O delegado acredita que ele abriu a porta por conhecer a pessoa e que foi surpreendido.

O motivo da morte estaria ligado ao trabalho do advogado, mas outras hipóteses também estão sendo investigadas. José Otávio Medeiros Martins, 54 anos, irmão do advogado, afirmou que o suspeito era conhecido de Paulo Cesar e também desconfia que tenha sido morto em razão de algum processo que movia contra alguém. Paulo Cesar trabalhava sozinho em causas cíveis. É pai de dois filhos e estava separado da mulher havia três anos. Este foi o segundo advogado assassinado na capital em 42 dias. Em 10 de junho, Rodrigo da Luz foi morto em frente ao condomínio onde morava, no Sul da Ilha.