Com parecer da OAB, MEC impede 13 faculdades de abrir cursos de Direito

0
90
Print Friendly, PDF & Email




Brasília, 20/08/2010 – O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, ressaltou hoje (20) a importância da parceria entre o Ministério da Educação e a entidade máxima da advocacia como forma de bem defender a garantia da qualidade do ensino jurídico brasileiro. “Nossa atuação tem sido firme no sentido de brecar a abertura de cursos que visam apenas o lucro e não a formação de profissionais com qualificação”. A afirmação foi feita por Ophir ao comentar a notícia de que a Secretaria de Educação Superior, do MEC, negou pedidos de criação de 13 cursos de direito no país. Os pedidos de abertura que chegam à Secretaria são avaliados por funcionários responsáveis por sua área de regulação e pela Comissão de Ensino Jurídico do Conselho Federal da OAB.

Os principais critérios examinados para que se conceda ou não a autorização de criação de um novo curso são o corpo docente, a infraestrutura da instituição e o projeto pedagógico. Além disso, um dos quesitos mais importantes levados em consideração é a relevância social e geográfica da criação do curso.

Os pedidos negados pelo MEC são todos de faculdades privadas. São elas: Faculdade de Ciências Administrativas e de Tecnologia (Porto Velho – RO), Faculdade de Ciências Gerenciais de São Gotardo (São Gotardo – MG), Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão (Caxias – MA), Faculdade Facmil (São José do Rio Preto – SP), Faculdade Madre Thaís (Ilhéus – BA), Faculdade Metropolitana de Marabá (Marabá – PA), Faculdade Metropolitana da Amazônia (Belém – PA), Faculdade Peruíbe (Peruíbe – SP), Faculdade São Francisco de Assis (Porto Alegre – RS), Faculdade de São José dos Campos (São José dos Campos – SP), Faculdade do Vale do Jaguaribe (Aracati – CE), Instituto de Ensino Superior do Rio Grande do Norte (Natal – RN) e Universidade do Vale do Paraíba (Campos do Jordão – SP).

Outros quatro pedidos, no entanto, foram aprovados. O Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), em Brasília, poderá abrir 200 vagas anuais do curso; a Faculdade Evolução Alto Oeste Potiguar, de Pau dos Ferros, no Rio Grande do Norte, foi autorizada a abrir 80 vagas anuais; a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro poderá oferecer 45 vagas em cada um dos campi localizados em Seropédica e Nova Iguaçu, e, por fim, a Faculdade Avantis poderá criar 50 novas vagas a cada ano na cidade de Balneário Camboriú, em Santa Catarina.