Dia a Dia Tributário: Governo mineiro muda regras de fiscalização

0
58
Print Friendly, PDF & Email





Por Laura Ignacio | Valor


SÃO PAULO  -  O Fisco mineiro pode desconsiderar ato ou negócio jurídico se perceber a falta de propósito negocial ou o abuso de forma jurídica. Um novo decreto disciplina os passos para o agente fiscal aplicar isso. Pela interpretação de especialistas, porém, havendo ou não simulação na realização do negócio a empresa poderá ser autuada. Assim, a norma aumentaria o risco de autuações para planejamentos tributários legítimos.


Trata-se do Decreto nº 46 .329, publicado no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira. Ele altera o Regulamento do Processo e dos Procedimentos Tributários Administrativos (RPTA) de Minas.


O decreto trata da fiscalização contra a evasão fiscal, que é a forma de dissimular fato gerador do imposto para não pagar imposto. No Brasil, a principal corrente considera que, no caso de simulação, o imposto só pode ser exigido se comprovada a intenção, a má-fé.


“A preocupação é em relação aos limites para a desconsideração do ato ou negócio jurídico, para não afetar o planejamento legítimo”, afirma o advogado Marcelo Jabour, presidente da Lex Legis Consultoria Tributária.


Antes dessa norma já havia um certo risco, segundo Jabour, porque a ausência de propósito negocial, muitas vezes, é confundida pelo Fisco com a inexistência de motivo para determinada operação, se não a economia fiscal. “Teria que ser comprovado também que a operação não é a que o contribuinte diz que é, uma operação falsa, para poder haver autuação”, diz Jabour.


Com informações da Lex Legis Consultoria Tributária


Leia mais em:


http://www.valor.com.br/legislacao/3301908/dia-dia-tributario-governo-mineiro-muda-regras-de-fiscalizacao#ixzz2hjHapJLw