Diretor da EJUD-MS visita Estabelecimento Penal de Paranaíba e destaca projetos de ressocialização

0
84
Print Friendly, PDF & Email

 

O diretor-geral da Escola Judicial do Estado de Mato Grosso do Sul (EJUD-MS), Des. Ruy Celso Barbosa Florence, depois de receber da Câmara de Vereadores de Paranaíba o título de cidadão do município, visitou o Estabelecimento Penal de Paranaíba em companhia do diretor José Carlos Marques e da juíza Larissa Ditzel Cordeiro do Amaral, atual responsável pela vara de execução penal da comarca.
 
Conforme destacou o Des. Ruy Celso, existem vários projetos de ressocialização sendo desenvolvidos naquela Unidade Prisional, com excelente qualidade e em ambiente de extrema limpeza e higiene. O projeto habilita os internos tornando-os mão-de-obra bem capacitada em ofícios como o de cozinheiro, padeiro, doceiro, tijoleiro e auxiliares, que historicamente são sempre muito requisitados no mercado de trabalho.
 
A padaria está voltada para o consumo interno, mas tem capacidade para oferecer pães e outros alimentos também para mercados, escolas e diversos comércios, que ainda não manifestaram interesse nesses produtos, mas podem, a qualquer tempo, oferecer propostas de parceria com o Estabelecimento Penal.

A cozinha do Presídio, além de confeccionar toda a alimentação diária dos internos, ainda serve de local de formação de cozinheiros e auxiliares. Na fábrica de tijolos de cimento, a produção é acima de mil e quinhentas unidades diárias.

Existe, também, uma selaria onde são produzidas não só selas para cavalos, mas variados equipamentos para montaria, com alta qualidade e aceitação. Há, ainda, uma estamparia de camisetas, uma linha de montagem de calçados pré-cortados que chega atingir três mil peças ao dia, e uma equipe de corte e envelopamento de papeis para presente.
 
A alfabetização, sonho de muitos, também foi contemplada pelo projeto que conta com uma pequena sala de aula, a qual espera-se ampliar para atender uma quantidade maior de detentos, que poderão progredir nos ensinamentos, aproveitando, inclusive, a legislação atual que permite a redução da pena prisional a cada doze horas em sala de aula.

No projeto Começar de Novo, a sociedade paranaibense oferece mais vagas para os egressos do sistema prisional do que o número de pessoas que deixa o presídio pela progressão de regime ou cumprimento da pena.

Atualmente, todos os sentenciados do regime semiaberto e aberto estão empregados. “Pelo que pude constatar, o sucesso dessa unidade prisional deve-se a um trabalho conjunto e ordenado entre a direção do Presídio, o Poder Judiciário local e o Conselho da Comunidade, presidido pelo advogado Fidelcino Ferreira. A Ejud pretende incentivar práticas semelhantes em todo o estado, proporcionando a troca de experiências entre magistrados, gestores de unidades prisionais, conselhos da comunidade e outras pessoas, como alternativa aos regimes prisionais que apenas retiram os transgressores da sociedade, sem ressocializá-los adequadamente para que não voltem a contrariar a lei penal”, disse o Des. Ruy Celso que destacou, por fim, que a EJUD-MS poderá, futuramente, pelo ensino a distância, colaborar com a reeducação e ressocialização dos internos.