Ministro nega liminar para Advogado acusado de difamar magistrada

0
58
Print Friendly, PDF & Email

 

“A proclamada imunidade profissional do advogado não é absoluta”. Com esse argumento, o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou liminar em Habeas Corpus (HC 105134) para um advogado. Ele pede o arquivamento da ação penal a que responde por ter, supostamente, difamado magistrada de uma comarca em SP.

O advogado sustenta que além dos fatos já terem sido supostamente alcançados pela prescrição antecipada, em vista da pena que possa vir a ser aplicada, ele estaria coberto pela imunidade profissional do advogado no exercício de suas atividades.

O ministro Dias Toffoli frisou, contudo, que “o Supremo Tribunal Federal já fixou o entendimento de que não é absoluta a inviolabilidade do advogado, por seus atos e manifestações, o que não infirma a abrangência que a Magna Carta conferiu ao instituto, de cujo manto protetor somente se excluem atos, gestos ou palavras que manifestamente desbordem do exercício da profissão, como a agressão (física ou moral), o insulto pessoal e a humilhação pública”.

“A proclamada imunidade profissional do advogado não é absoluta”, concluiu o ministro ao negar a medida cautelar. Ele pediu informações ao juizado especial da comarca sobre o processo contra o paciente, determinou, ainda, que na sequência, o processo seja encaminhado para o Ministério Público Federal se manifestar.

Fonte: Supremo Tribunal Federal