ONG quer ampliar uso de ferrovia

0
82
Print Friendly, PDF & Email

 

A organização não governamental Instituto Cidades e o Ministério Público Federal (MPF) em Minas Gerais tentam na Justiça transferir parte da carga transportada por caminhões que trafegam na Rodovia Fernão Dias (BR-381) para a Estrada de Ferro Vitória-Minas, administrada pela Vale, cujo traçado é paralelo ao da estrada. O trecho em discussão tem 316 quilômetros e vai de Belo Horizonte a Governador Valadares.

Os procuradores e a entidade alegam na ação que a linha férrea é subutilizada e que a retirada de parte da carga da estrada evitaria o desgaste prematuro do asfalto e reduziria o número de acidentes. De acordo com o MPF, o índice de ocorrências com feridos e mortos na chamada “rodovia da morte” é o mais alto de Minas Gerais. “A estrada está saturada”, diz o procurador Edmar Machado, responsável pelo caso. “Até então, a busca de solução para os perigos da BR-381 limitava-se ao aspecto da duplicação da via.”

De acordo com o procurador, a Vale transporta pela ferrovia apenas o seu minério e não abre a possibilidade de utilização da via por outras empresas. Na ação, os autores pedem que a companhia apresente estudo mostrando a real capacidade de carga da linha, para que se possa retirar o maior número de caminhões da rodovia. Procurada pelo Valor, a Vale informou que “não comenta processos judiciais em andamento”. (AR)