Ophir defende auditoria nas contas e contratos pelo novo governador do DF

0
93
Print Friendly, PDF & Email

 

Ao ser indagado hoje (17) pelos jornalistas sobre a definição do novo governador do Distrito Federal, Rogério Rosso, o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, afirmou que, embora não conheça o escolhido pela Câmara Distrital, sua história política ligada aos ex-governadores Joaquim Roriz e José Roberto Arruda lhe impõe, para que possa a ter a seu lado pelo menos o benefício da dúvida, que promova “uma auditoria nas contas e contratos hoje existentes” no governo que vai comandar até dezembro deste ano.

Ophir defendeu também que o novo governador publique os gastos do GDF na internet em tempo real, a fim de que a sociedade de Brasília saiba o que foi feito com os seus impostos e passe a acompanhar o que será feito até o final do ano. Rogério Rosso, candidato do PMDB, foi presidente da Companhia de Planejamento do DF no governo José Roberto Arruda, recebeu 13 dos 24 votos dos deputados distritais, na eleição indireta realizada neste sábado. Ele recebeu os votos dos oito citados no inquérito da operação Caixa de Pandora, que investiga o esquema de pagamento de propina a distritais e aliados, conhecido como mensalão do DEM.

O candidato do PT, Antonio Ibañez, recebeu seis votos. O governador interino do DF, Wilson Lima (PR), recebeu apenas quatro votos, e o candidato do PTB, Luís Fillipe Coelho, nenhum voto.

Íntegra da declaração do presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante aos jornalistas:

“Embora não conheça o governador eleito, sua história política, ligada aos ex-governadores Roriz e Arruda, lhe impõe, para que possa ter a seu lado pelo menos o benefício da dúvida, que promova uma auditoria nas contas e contratos hoje existentes no GDF, colocando os gastos do governo na internet em tempo real, a fim de que a sociedade de Brasília saiba o que foi feito com os seus impostos e passe a acompanhar o que será feito”.