Publicação inédita é distribuída a advogados de Mato Grosso do Sul

0
57
Print Friendly, PDF & Email

 

Exemplares da primeira revista científica jurídica de Mato Grosso do Sul “Direito Em Foco” estão à disposição dos filiados na Ordem dos Advogados do Brasil. Em Campo Grande a distribuição é feita de graça na sede da Ordem, no setor de protocolo e no interior do Estado basta ir até uma das subseções.

Estão autorizados a retirar a revista apenas advogados adimplentes.

A publicação inédita foi lançada no dia 30 de novembro no auditório da OAB/MS. Uma leitura que reúne produções científicas nas áreas jurídicas, além de jurisprudências e atualizações doutrinárias.

Com o tema central “O STF e a Defesa das Liberdades Públicas no âmbito da Constituição Federal/88”, a revista contém trabalhos de caráter científico que apresentam inovações e contribuem para a formação e aperfeiçoamento profissional.

São veiculados em “Direito em Foco” artigos de renomados juristas como Athos Gusmão Carneiro, Cassiano Garcia Rodrigues, José Celso de Mello Filho, Marco Aurélio Mello, além dos membros da diretoria da OAB de Mato Grosso do Sul.

Os leitores da revista terão ainda, na íntegra, repositório de jurisprudência que apresentam decisões recentes e importantes, permitindo os avanços no Direito. Para o diretor da revista e vice-presidente da OAB/MS, Júlio César Souza Rodrigues, a publicação permite, sobretudo, a discussão do Direito e o debate de ideias. “Queremos dar aos advogados condição de bem tutelar as pessoas e evitar que os direitos sejam tratados a partir de preconceitos e concepções pessoais que não refletem as verdadeiras normas constitucionais”, explica.

A primeira revista jurídica científica do Estado tem periodicidade semestral e a iniciativa acolhe interesses voltados não só para advogados, mas, para toda sociedade civil, primando por conteúdos de grande relevância jurídica e social. “A OAB/MS, em parceria com a CAAMS e ESA (Escola Superior de Advocacia) espera que a criação corresponda à expectativa de todos e contribua para a formação de novos pensamentos jurídicos”, finaliza Rodrigues.