STJ – Estudante de medicina acusado de pedofilia na Bahia continuará preso

0
55
Print Friendly, PDF & Email

 

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a prisão preventiva de um estudante de medicina preso em flagrante, na Bahia, sob a acusação de estupro. Ele atraía menores, inclusive seu próprio irmão, com o artifício de jogar videogame. O denunciado confessou dificuldade de controlar seus impulsos sexuais. As vítimas sofreram abusos por aproximadamente dez meses.

O habeas corpus apresentado ao STJ é contra a decisão do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA) que manteve a prisão preventiva. A defesa alega ausência de elementos concretos que justifiquem a prisão.

Coube à Quinta Turma do STJ julgar o caso. Em seu voto, o relator, ministro Napoleão Maia Filho, afirmou que a presença de indícios de autoria, a periculosidade do réu, a maneira de agir e o diagnóstico de transtorno de preferência sexual (pedofilia) são motivos suficientes para negar o pedido de liberdade.

O relator explicou que a manutenção da prisão é uma forma de resguardar a ordem pública. “A preservação da ordem pública não se restringe às medidas preventivas de irrupção de conflitos e tumultos, mas abrange também a promoção daquelas providências de resguardo à sua credibilidade social e ao aumento da confiança da população nos mecanismos oficias de repressão às diversas formas de delinquência”, afirmou.

O ministro Napoleão Maia Filho, ao concluir o voto, reiterou que as condições favoráveis do acusado, como primariedade, bons antecedentes, residência fixa e trabalho lícito, não impedem a decretação da prisão preventiva. A decisão dos ministros da Quinta Turma foi unânime. HC 174178

Fonte: Superior Tribunal de Justiça