STJ – Informativo nº 0690. Publicação: 29 de março de 2021

0
76
Print Friendly, PDF & Email

Este periódico, elaborado pela Secretaria de Jurisprudência do STJ, destaca teses jurisprudenciais
firmadas pelos órgãos julgadores do Tribunal nos acórdãos proferidos nas sessões de julgamento, não
consistindo em repositório oficial de jurisprudência
Número 690 Brasília, 29 de março de 2021.
PRIMEIRA SEÇÃO
PROCESSO CC 147.784/PR, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, Primeira Seção, por
unanimidade, julgado em 24/03/2021.
RAMO DO DIREITO DIREITO ADMINISTRATIVO, DIREITO CONSTITUCIONAL, DIREITO DO
TRABALHO
TEMA Contribuição sindical compulsória (imposto sindical). Servidor Público.
Art. 114, III, da CF. Adequação da jurisprudência do STJ. Tema n. 994/STF.
RE 1.089.282/AM. Competência da Justiça Comum para servidor público
com vínculo estatutário. Competência da Justiça do Trabalho para servidor
público com vínculo celetista. Nova interpretação da Súmula 222 do STJ.
DESTAQUE
A Súmula 222 do STJ – Compete à Justiça Comum processar e julgar as ações relativas à
contribuição sindical prevista no art. 578 da CLT – deve abarcar apenas situações em que a
contribuição sindical diz respeito a servidores públicos estatutários, mantendo-se a competência
para processar e julgar as ações relativas à contribuição sindical referentes a celetistas (servidores
públicos ou não) na Justiça do Trabalho.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR
Com o advento do art. 114, da Constituição Federal de 1988 (em sua redação original), firmou-se
a interpretação restritiva de que a competência da justiça laboral somente abarcava as hipóteses ali
expressas e que quaisquer outras “controvérsias decorrentes da relação de trabalho” somente o
seriam de competência daquela justiça especializada acaso sobreviesse lei que assim o
estabelecesse. Assim, permaneceu vigente no período a Súmula n. 87 do extinto Tribunal Federal de
Recursos – TFR que definiu ser da competência da Justiça Comum o processo e julgamento da
contribuição assistencial prevista em convenção ou acordo coletivo e da contribuição sindical
compulsória prevista em lei (imposto sindical), a saber: “Compete à Justiça Comum o processo e
julgamento de ação de cobrança de contribuições sindicais”.
1
Tal situação perdurou até o advento da Lei n. 8.984/1995 que estabeleceu competir ” à Justiça do
Trabalho conciliar e julgar os dissídios que tenham origem no cumprimento de convenções coletivas
de trabalho ou acordos coletivos de trabalho, mesmo quando ocorram entre sindicatos ou entre
sindicato de trabalhadores e empregador” (convenções e acordos não homologados). Tal lei levou a
cobrança da contribuição assistencial prevista em convenção ou acordo coletivo para a competência
da Justiça do Trabalho, surgindo então dúvida a respeito do destino da contribuição sindical
compulsória (imposto sindical), se acompanharia a contribuição assistencial ou se permaneceria na
Justiça Comum.
Nesse novo contexto, este Superior Tribunal de Justiça produziu o precedente nos EDcl no CC
17.765 / MG (Segunda Seção, Rel. Min. Paulo Costa Leite, julgado em 13/08/1997) onde no qual
restou fixado que a cobrança da contribuição sindical compulsória (imposto sindical) deveria se dar
na Justiça Comum.
Posteriormente, em 23/06/1999, com base no mencionado precedente, foi julgada pela Segunda
Seção a Súmula n. 222/STJ com o seguinte texto: “Compete à Justiça Comum processar e julgar as
ações relativas à contribuição sindical prevista no art. 578 da CLT”.
Mais recentemente, com o advento da alteração do art. 114, da CF/1988, promovida pela EC n.
45/2004, foram inseridas na competência da Justiça do Trabalho “as ações oriundas da relação de
trabalho, abrangidos os entes de direito público externo e da administração pública direta e indireta
da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios” (art. 114, I, CF/1988) e “as ações sobre
representação sindical, entre sindicatos, entre sindicatos e trabalhadores, e entre sindicatos e
empregadores” (art. 114, III, CF/1988).
A troca da expressão “dissídios individuais e coletivos entre trabalhadores e empregadores”
contida na redação original do art. 114, da CF/1988, pela expressão “ações oriundas da relação de
trabalho”, contida na redação dada pela EC n. 45/2004, trouxe dúvida em relação à competência da
Justiça do Trabalho para julgar as causas entre o Poder Público e seus servidores estatutários. O
tema foi então enfrentado pelo STF quando do julgamento da ADI 3.395 MC/DF (Tribunal Pleno, Rel.
Min. Cezar Peluso, julgado em 05/04/2006) que registrou: “O disposto no art. 114, I, da Constituição
da República, não abrange as causas instauradas entre o Poder Público e servidor que lhe seja
vinculado por relação jurídico-estatutária”. Contudo, permaneceu alguma dúvida em relação ao
reflexo do julgado do STF sobre as ações que envolviam as contribuições sindicais de servidores
públicos e o alcance do disposto no art. 114, III, da CF/1988.
Desta feita, após o julgamento pelo STF da ADI 3.395 MC / DF, em pesquisa realizada na
jurisprudência deste STJ, no que se refere às ações em que se discute a técnica de tributação via
recolhimento e repasse, os mais recentes precedentes da Primeira Seção são no sentido de que o
referido julgamento em nada havia interferido na regra de competência para a discussão da
contribuição sindical dos servidores públicos, devendo esta se dar sempre na Justiça do Trabalho,
indiferente a condição do servidor público de celetista ou estatutário.
2
Do histórico, constata-se que houve sucessivas alterações em relação ao posicionamento original.
Migrou-se de uma posição inicial (1) onde todas as ações que versassem sobre o imposto sindical
teriam seu destino na Justiça Comum (Súmula n. 222/STJ), para uma posição (2) onde as ações que
versassem sobre o imposto sindical envolvendo todos os tipos de celetistas (servidores ou não)
haveriam que ser destacadas e levadas para a Justiça do Trabalho, mantendo-se apenas as ações que
versassem sobre o imposto sindical envolvendo servidores estatutários na Justiça Comum e,
posteriormente, para uma posição (3) na qual todas as ações que versassem sobre o imposto
sindical (envolvendo celetistas ou estatutários), haveriam que ser julgadas na Justiça do Trabalho.
Assim, a evolução da jurisprudência vinha sendo no sentido de retirar essas atribuições da Justiça
Comum transferindo-as gradativamente para a Justiça Laboral, que detinha a expertise no exame
das relações de representação sindical, já que o tema “contribuição sindical” guardaria mais
afinidade com o tema “representação sindical” que com o tema “regime estatutário”.
Ocorre que em direção diametralmente oposta àquela que vinha tomando este Superior Tribunal
de Justiça e o Tribunal Superior do Trabalho, o Supremo Tribunal Federal, quando do julgamento do
Tema n. 994, no RE 1.089.282/AM (Tribunal Pleno, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em sessão
virtual de 27/11/2020 a 04/12/2020), firmou a seguinte tese: “Compete à Justiça Comum processar
e julgar demandas em que se discute o recolhimento e o repasse de contribuição sindical de
servidores públicos regidos pelo regime estatutário”.
Desta forma, o STF determinou o retorno deste Superior Tribunal de Justiça um passo atrás para
a posição jurisprudencial intermediária anterior, qual seja, a de que: (a) as ações em que se discute a
contribuição sindical (imposto sindical) de servidor púbico estatutário, após o advento da EC n.
45/2004, devem continuar ser ajuizadas na Justiça Comum e (b) as ações em que se discute a
contribuição sindical (imposto sindical) de servidor púbico celetista, após o advento da EC n.
45/2004, devem ser ajuizadas na Justiça do Trabalho.
Desse modo, deve ser dada nova interpretação ao enunciado n. 222 da Súmula deste STJ
(“Compete à Justiça Comum processar e julgar as ações relativas à contribuição sindical prevista no
art. 578 da CLT”) para abarcar apenas as situações em que a contribuição sindical (imposto sindical)
diz respeito a servidores públicos estatutários, mantendo-se a competência para processar e julgar
as ações relativas à contribuição sindical referente a celetistas (servidores ou não) na Justiça do
Trabalho.
3
TERCEIRA SEÇÃO
PROCESSO EREsp 1.530.637/SP, Rel. Min. Ribeiro Dantas, Terceira Seção, por maioria,
julgado em 24/03/2021.
RAMO DO DIREITO DIREITO PENAL
TEMA Favorecimento da prostituição ou de outra forma de exploração sexual de
criança, adolescente ou vulnerável. Art. 218-B, §2°, I, do Código Penal.
Figura do intermediador. Prescindibilidade. Situação de exploração sexual.
Tipicidade da conduta.
DESTAQUE
O delito previsto no art. 218-B, § 2°, inciso I, do Código Penal, na situação de exploração sexual,
não exige a figura do terceiro intermediador.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR
A controvérsia diz respeito à interpretação conferida ao delito previsto no art. 218-B, §2°, I, do
Código Penal (“favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração sexual de criança ou
adolescente ou de vulnerável”), que assim dispõe: “Art. 218-B. Submeter, induzir ou atrair à
prostituição ou outra forma de exploração sexual alguém menor de 18 (dezoito) anos ou que, por
enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato,
facilitá-la, impedir ou dificultar que a abandone: Pena – reclusão, de 4 (quatro) a 10 (dez) anos. (…) §
2° Incorre nas mesmas penas: I – quem pratica conjunção carnal ou outro ato libidinoso com alguém
menor de 18 (dezoito) e maior de 14 (catorze) anos na situação descrita no caput deste artigo; (…)”.
No acórdão impugnado (REsp 1.530.637/SP), entendeu a Sexta Turma que a configuração do
delito em questão não pressupõe a existência de terceira pessoa, bastando que o agente, por meio de
pagamento, convença a vítima, maior de 14 e menor de 18 anos, a praticar com ele conjunção carnal
ou outro ato libidinoso, de modo a satisfazer a sua própria lascívia.
Já no aresto paradigma (AREsp 1.138.200/GO), concluiu a Quinta Turma que o tipo penal descrito
no artigo 218-B, § 2°, inciso I, do Código Penal exige necessariamente a figura do intermediário ou
agenciador, não abarcando a conduta daquele que aborda diretamente suas vítimas para a
satisfação de lascívia própria.
Note-se que, apesar de o nomen juris do tipo em questão ter deixado de ser “favorecimento da
prostituição ou outra forma de exploração sexual de vulnerável” para evitar confusão terminológica
com a figura do vulnerável do art. 217-A do CP, é inegável que o legislador, em relação à pessoa
menor de 18 e maior de 14 anos, trouxe uma espécie de presunção relativa de vulnerabilidade.
Nesse ensejo, a exploração sexual é verificada sempre que a sexualidade da pessoa menor de 18 e
maior de 14 anos é tratada como mercancia.
A norma penal não exige a figura do intermediador, além disso, o ordenamento jurídico
reconhece à criança e ao adolescente o princípio constitucional da proteção integral, bem como o
4
respeito à condição peculiar de pessoa em desenvolvimento.
Assim, é lícito concluir que a norma traz uma espécie de presunção relativa de maior
vulnerabilidade das pessoas menores de 18 e maiores de 14 anos. Logo, quem, se aproveitando da
idade da vítima, oferece-lhe dinheiro em troca de favores sexuais está a explorá-la sexualmente, pois
se utiliza da sexualidade de pessoa ainda em formação como mercancia, independentemente da
existência ou não de terceiro explorador.
5
SEGUNDA TURMA
PROCESSO REsp 1.764.559/SP, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, Segunda Turma,
por unanimidade, julgado em 23/03/2021.
RAMO DO DIREITO DIREITO PREVIDENCIÁRIO
TEMA Aposentadoria especial. Direito à implementação do benefício. Segurado
que não cessou o exercício da atividade especial antes da concessão
definitiva do benefício. Cabimento. Atividade especial exercida para
garantia da subsistência em decorrência da indevida denegação
administrativa. Art. 57, § 8º, da Lei n. 8.213/1991.
DESTAQUE
O artigo 57, § 8º, da Lei n. 8.213/1991 não impede o reconhecimento judicial do direito do
segurado ao benefício aposentadoria especial com efeitos financeiros desde a data do requerimento
administrativo, se preenchidos nessa data todos os requisitos legais, mesmo que ainda não tenha
havido o afastamento das atividades especiais.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR
A questão discutida recursal gira em torno do direito à implantação do benefício aposentadoria
especial, mesmo que o segurado ainda não tenha cessado o exercício da atividade especial, enquanto
aguarda o desfecho do processo judicial para a concessão do benefício, sob a interpretação do § 8º
do art. 57 da Lei n. 8.213/1991 (§ 8º Aplica-se o disposto no art. 46 ao segurado aposentado nos
termos deste artigo que continuar no exercício de atividade ou operação que o sujeite aos agentes
nocivos constantes da relação referida no art. 58 desta Lei).
O Tribunal a quo, ao enfrentar a situação jurídica, aplicou ao caso o disposto no art. 46 da Lei n.
8.213/1991, que assim dispõe, in verbis: “O aposentado por invalidez que retornar voluntariamente
à atividade terá sua aposentadoria automaticamente cancelada, a partir da data do retorno”.
Todavia, não é possível condicionar o reconhecimento do direito à implementação da
aposentadoria especial ao prévio desligamento do vínculo laboral em que exercida atividade em
condições especiais, uma vez que, dessa forma, estar-se-ia impondo ao segurado que deixasse de
exercer a atividade que lhe garante a subsistência antes da concessão definitiva do benefício
substitutivo de sua renda.
Quando é reconhecido judicialmente que o segurado preenche todos os requisitos para a
concessão do benefício aposentadoria especial na data do requerimento administrativo, a demora
no reconhecimento de seu direito e na concessão de seu benefício não pode ser a ele imputada, uma
vez que derivou da negativa de direito por parte do INSS.
Em verdade, o segurado é compelido a continuar exercendo atividade em condições especiais, em
virtude da injustificada denegação administrativa, pois precisa garantir sua subsistência no período
compreendido entre o pedido administrativo e a concessão definitiva do benefício, a partir da qual,
6
nos termos do art. 57, § 8º, da Lei n. 8.213/1991, é que fica vedado o exercício de atividades em
condições especiais.
Com efeito, não reconhecer o direito ao benefício aposentadoria especial ao segurado, no
decorrer dos processos administrativo e judicial, ao invés de concretizar o real objetivo protetivo da
norma, isto é, tutelar a incolumidade física do trabalhador submetido a condições insalubres ou
perigosas, termina por vulnerar novamente aquele segurado que teve o seu benefício
indevidamente indeferido e só continuou a exercer atividade especial para garantir sua subsistência.
Destarte, apenas se pode impor a vedação ao exercício de atividades em condições especiais a
partir da concessão do benefício, uma vez que, antes desta, o segurado não está em gozo de um
benefício substitutivo de sua renda a justificar tal proibição.
Outrossim, deve ser destacado que a interpretação ora proposta encontra respaldo na Instrução
Normativa n. 77/2015 do INSS, a qual, ao disciplinar a cessação da aposentadoria especial em caso
de permanência ou retorno à atividade ensejadora da concessão do benefício, expressamente prevê
que o período entre a data do requerimento administrativo e a data da ciência da decisão concessiva
do benefício não é considerado como permanência ou retorno à atividade.
7
TERCEIRA TURMA
PROCESSO REsp 1.795.215/PR, Rel. Min. Nancy Andrighi, Terceira Turma, por
unanimidade, julgado em 23/03/2021
RAMO DO DIREITO DIREITO CIVIL
TEMA Sucessão causa mortis. União estável. Bem particular. Frutos civis.
Comunicabilidade exclusivamente durante a constância da união estável.
Data da celebração do contrato de locação e período de sua vigência.
Irrelevância.
DESTAQUE
O montante recebido a título de aluguéis de imóvel particular do “de cujus” não se comunica à
companheira supérstite após a data da abertura da sucessão.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR
Inicialmente, o art. 1.660, V, do CC dispões que se comunicam os frutos dos bens particulares de
cada cônjuge ou companheiro percebidos durante a constância da união ou pendentes ao tempo de
cessar a comunhão.
No que concerne à divisão dos frutos civis após a extinção do casamento ou da união estável, esta
Corte Superior já teve a oportunidade de se manifestar no sentido de que o direito à meação se dá
com relação aos valores que foram auferidos durante a constância da convivência.
Na oportunidade, ficou assentado que “o reconhecimento da incomunicabilidade daquela rubrica
[ocorre] apenas quando percebidos os valores em momento anterior ou posterior ao casamento”.
Vale dizer, o que autoriza a comunicabilidade dos frutos é a data da ocorrência do fato que dá
ensejo à sua percepção, ou, em outros termos, o momento em que o titular adquiriu o direito ao seu
recebimento.
No particular, a meação, quanto aos valores reclamados, cinge-se aos aluguéis relativos ao
período aquisitivo compreendido no curso da união estável, a qual teve como termo final a data do
falecimento do companheiro, proprietário exclusivo do imóvel locado.
Impende destacar que a Lei n. 8.245/1991 (Lei do Inquilinato) dispõe, em seu art. 10, que,
“morrendo o locador, a locação transmite-se aos herdeiros”.
Isso significa que, a partir da data do falecimento do locador – momento em que houve a
transmissão dos direitos e deveres decorrentes do contrato de locação aos herdeiros -, todo e
qualquer vínculo, ainda que indireto, apto a autorizar a recorrente a partilhar dos aluguéis (como
aquele previsto na norma do inc. V do art. 1.660 do CC) foi rompido, cessando, por imperativo lógico,
seu direito à meação sobre eles.
Ademais, a data da celebração do contrato de locação ou o termo final de sua vigência em nada
influenciam na resolução da questão, pois os aluguéis somente podem ser considerados pendentes
se deveriam ter sido recebidos na constância da união estável ou casamento e não o foram.
8
Nesse contexto, portanto, somente podem ser considerados eventuais aluguéis vencidos e não
pagos ao tempo do óbito do proprietário, circunstância que, caso verificada, autorizaria sua
integração à meação da companheira.
PROCESSO REsp 1.841.285/DF, Rel. Min. Nancy Andrighi, Terceira Turma, por
unanimidade, julgado em 23/03/2021
RAMO DO DIREITO DIREITO CIVIL, DIREITO DO CONSUMIDOR
TEMA Plano de saúde coletivo. Falecimento do titular. Beneficiária agregada.
Pretensão de manutenção do benefício. Possibilidade. Art. 30, § 2º, da Lei
n. 9.656/1998.
DESTAQUE
No caso de morte do titular, os membros do grupo familiar – dependentes e agregados – podem
permanecer como beneficiários no plano de saúde coletivo, desde que assumam o pagamento
integral.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR
Na hipótese de falecimento do titular do plano de saúde coletivo, seja este empresarial ou por
adesão, a Terceira Turma decidiu que nasce para os dependentes já inscritos o direito de pleitear a
sucessão da titularidade, nos termos dos arts. 30 ou 31 da Lei n. 9.656/1998, a depender da
hipótese, desde que assumam o seu pagamento integral (REsp 1.871.326/RS, julgado em
01/09/2020, DJe 09/09/2020).
Apesar de o § 3º do art. 30, que trata da hipótese de permanência em caso de morte do
beneficiário titular, fazer uso da expressão “dependentes”, o § 2º assegura a proteção conferida pelo
referido art. 30, de manutenção do plano de saúde nas hipóteses de rompimento do contrato de
trabalho do titular, obrigatoriamente, a todo o grupo familiar, sem fazer nenhuma distinção quanto
aos agregados.
Na linha desse raciocínio, não há como fazer uma interpretação puramente literal e isolada do §
3º do art. 30 da Lei n. 9.656/1998; a interpretação há de ser feita em harmonia com o direito
instituído pelo § 2º, garantindo, assim, que, no caso de morte do titular, os membros do grupo
familiar – dependentes e agregados – permaneçam como beneficiários no plano de saúde, desde que
assumam o pagamento integral, na forma da lei.
Ademais, de acordo com o art. 2º, I, “b” da Resolução ANS 295/2012, beneficiário dependente é o
beneficiário de plano privado de assistência à saúde cujo vínculo contratual com a operadora
depende da existência de relação de dependência ou de agregado a um beneficiário titular
PROCESSO REsp 1.880.944/SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, Terceira Turma, por
unanimidade, julgado em 23/03/2021
9
RAMO DO DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL
TEMA Execução de título extrajudicial. Transação antes da sentença. Art. 90, § 3º,
do CPC/2015. Aplicabilidade. Taxa judiciária. Obrigação de recolhimento.
DESTAQUE
A transação antes da sentença de execução dispensa o pagamento das custas remanescentes, o
que não abrange a taxa judiciária.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR
Nos termos do art. 90, § 3º, do CPC/2015, “se a transação ocorrer antes da sentença, as partes
ficam dispensadas do pagamento das custas processuais remanescentes, se houver”.
Na hipótese, a Corte estadual deixou de aplicar a referida norma, pois, segundo consignou “aplicase somente se houver acordo antes da sentença na fase de conhecimento, o que não é o caso”.
A interpretação propalada, todavia, destoa do próprio texto legal. Primeiro, porque essa norma
está localizada na parte geral do Diploma Processual, o que, por si só, evidencia ser aplicável não só
ao processo de conhecimento, como também ao processo de execução. Segundo, caso fosse a
intenção do legislador restringir sua aplicação ao processo de conhecimento, teria tido a cautela de
inseri-la no capítulo que trata especificamente dessa espécie procedimental ou, ao menos, teria feito
alguma referência expressa nesse sentido, o que não se verifica.
É prescindível, assim, traçar maiores considerações acerca da matéria, para concluir que se as
partes celebrarem acordo antes da sentença, seja no processo de conhecimento ou no de execução,
ficarão dispensadas do pagamento das custas remanescentes.
Ainda, despesas processuais é gênero do qual são espécies as custas judiciais, a taxa judiciária e
os emolumentos. As custas judiciais têm natureza tributária e visam a remunerar os serviços
praticados pelos serventuários em juízo. A taxa judiciária, a seu turno, também é um tributo, mas é
devida ao Estado em contraprestação aos atos processuais.
O art. art. 90, § 3º, do CPC/2015 é expresso ao referir custas remanescentes. Assim, se a legislação
estadual prever o recolhimento da taxa judiciária ao final do processo, as partes não estarão
desobrigadas de recolhê-la, haja vista que não se confunde com as custas processuais e, portanto,
não se enquadra nas custas remanescentes.
PROCESSO REsp 1.761.543/DF, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, Terceira Turma, por
unanimidade, julgado em 23/03/2021
RAMO DO DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL
TEMA Créditos vinculados ao FIES. Impenhorabilidade. Precedentes da Terceira
Turma do STJ. Distinção. Valores decorrentes da recompra de CFT-E.
Possibilidade de constrição.
DESTAQUE
10
É possível a penhora de recursos oriundos da recompra pelo FIES dos valores dos títulos
Certificados Financeiros do Tesouro – Série E (CFT-E), de titularidade das instituições de ensino, que
eventualmente sobrepujam as obrigações legalmente vinculadas.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR
Conforme a legislação de regência, na medida em que há a prestação do serviço educacional, os
títulos Certificados Financeiros do Tesouro – Série E (CFT-E), emitidos pelo Tesouro Nacional, são
repassados às Instituições de Ensino Superior (IES) para pagamento exclusivo de contribuições
sociais previdenciárias e, subsidiariamente, dos demais tributos administrados pela Receita Federal
do Brasil (art. 10, caput e § 3º, da Lei n. 10.260/2001).
Após o pagamento dos referidos débitos previdenciários e tributários, o FIES recomprará os
valores de titularidade das instituições de ensino que eventualmente sobrepujam as obrigações
legalmente vinculadas, resgatando os títulos CFT-E junto às mantenedoras das IES, e entregará o
valor financeiro equivalente ao resgate, atualizado pelo Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M).
A Terceira Turma do STJ firmou a tese de que os recursos públicos recebidos por instituição de
ensino superior privada são impenhoráveis, pois são verbas de aplicação compulsória em educação.
Contudo, deve-se fazer uma distinção entre os valores impenhoráveis e aqueles penhoráveis. Os
certificados emitidos pelo Tesouro Nacional (CFT-E), de fato, não são penhoráveis, haja vista a
vinculação legal da sua aplicação.
De outro lado, ao receber os valores decorrentes da recompra de CFT-E, as instituições de ensino
incorporam essa verba definitivamente ao seu patrimônio, podendo aplicá-la da forma que melhor
atenda aos seus interesses, não havendo nenhuma ingerência do poder público. Assim, havendo
disponibilidade plena sobre tais valores, é possível a constrição de tais verbas para pagamento de
obrigações decorrentes das relações privadas da instituição de ensino.
Ademais, o art. 10, § 1º, da Lei n. 10.260/2001, ao vedar a negociação pelas IES com outras
pessoas jurídicas de direito público dos certificados de dívida pública emitidos em favor do FIES,
nada dispõe sobre os valores oriundos da recompra dos títulos e que serão incorporados
definitivamente ao patrimônio da instituição de ensino.
Nota-se, ainda, que se fosse outro o raciocínio adotado, seria necessário que a IES prestasse
contas aos órgãos de controle do poder público sobre as quantias recebidas da recompra dos CFT-E,
por se tratar de verba pública de aplicação obrigatória, demonstrando que tais valores foram
efetivamente aplicados em educação, o que não ocorre.
Por conseguinte, vedar a constrição dos valores oriundos da recompra frustraria as expectativas
dos credores da instituição de ensino, haja vista que atualmente boa parte de sua renda é
proveniente dos repasses do FIES e do processo de recompra dos CFT-E.
Dessa forma, não se vislumbra nenhum óbice legal à penhora dos valores oriundos da recompra
dos CFT-E, pelo contrário, mostra-se, inclusive, salutar aos ordenamentos jurídico e econômico que
essas verbas possam ser objeto de constrição em caso de inadimplemento das obrigações
11
decorrentes das relações privadas das IES, dando maior credibilidade ao sistema jurídico e
garantindo aos credores que haverá opções para se buscar o crédito na eventual configuração da
mora da instituição de ensino.
12
QUARTA TURMA
PROCESSO REsp 1.691.792-RS, Rel. Min. Antônio Carlos Ferreira, Quarta Turma, por
unanimidade, julgado em 23/03/2021 
RAMO DO DIREITO DIREITO CIVIL
TEMA Plano de pecúlio. Inadimplência. Longo período. Entidade de previdência
privada. Recusa de pagamento do pecúlio por morte. Legitimidade.
DESTAQUE
É legítima a recusa da entidade de previdência privada ao pagamento do pecúlio por morte no
caso de inadimplemento das parcelas contratadas por longo período, independente da ausência de
prévia interpelação para o encerramento do contrato.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR
Inicialmente, não resta dúvida de que o entendimento firmado pela Segunda Seção – no sentido de
que “[o] mero atraso no pagamento de prestação do prêmio do seguro não importa em
desfazimento automático do contrato, para o que se exige, ao menos, a prévia constituição em mora
do contratante pela seguradora, mediante interpelação” (REsp 316.552/SP, Rel. Ministro Aldir
Passarinho Junior, Segunda Seção, julgado em 09/10/2002, DJ 12/04/2004, p. 184) – também se
aplica ao caso do contrato de previdência privada com plano de pecúlio por morte.
O mero inadimplemento das prestações não basta para a caracterização da mora do segurado,
sendo necessária a interpelação para a desconstituição da relação contratual. Entretanto, diante de
um longo período de inadimplemento – aproximadamente 7 (sete) anos, sem prova de circunstância
excepcional que se afigure apta a justificar o descumprimento da obrigação, não há falar em “mero
inadimplemento”, senão a inequívoca manifestação de desinteresse na continuidade da relação
contratual.
No julgamento do REsp 842.408/RS, examinando situação semelhante, entendeu a Terceira
Turma desta Corte que “indenizar segurado inadimplente há mais de um ano é agredir a boa-fé (Art.
1.443 do CCB/1916) e a lógica do razoável. Pouco importa se o inadimplemento decorreu de
suposta redução do limite de crédito do segurado. Nem há como impor ao banco onde realizados os
débitos o dever de acompanhar os compromissos financeiros de seu cliente ‘distraído’ (fl. 201). Um
atraso de 15 meses não pode ser qualificado como ‘mero atraso no pagamento de prestação do
prêmio do seguro’ (REsp 316.552). A ausência de interpelação por parte da seguradora não garante,
no caso, o direito à indenização securitária”.
PROCESSO REsp 1.412.247-MG, Rel. Min. Antônio Carlos Ferreira, Quarta Turma, por
unanimidade, julgado em 23/03/2021
RAMO DO DIREITO DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL
TEMA Indenização por morte. DPVAT. Seguro de vida. Identidade.
13
Impenhorabilidade. CPC/1973, art. 649, VI (CPC/2015, art. 833, VI).
Incidência.
DESTAQUE
Os valores pagos a título de indenização pelo “Seguro DPVAT” aos familiares da vítima fatal de
acidente de trânsito gozam da proteção legal de impenhorabilidade ditada pelo art. 649, VI, do
CPC/1973 (art. 833, VI, do CPC/2015), enquadrando-se na expressão “seguro de vida”.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR
“O Seguro DPVAT tem a finalidade de amparar as vítimas de acidentes causados por veículos
automotores terrestres ou pela carga transportada, ostentando a natureza de seguro de danos
pessoais, cujo escopo é eminentemente social, porquanto transfere para o segurador os efeitos
econômicos do risco da responsabilidade civil do proprietário em reparar danos a vítimas de
trânsito, independentemente da existência de culpa no sinistro” (REsp 876.102/DF, Rel. Ministro
Luis Felipe Salomão, Quarta Turma, julgado em 22/11/2011, DJe 01/02/2012).
Sob uma perspectiva teleológica da proteção conferida ao “seguro de vida” pelo art. 649, VI, do
CPC/1973 (art. 833, VI, do CPC/2015), os valores pagos pelo “seguro DPVAT” devem receber o
mesmo tratamento, evidenciando cobertura que, conquanto obrigatória, em tudo se identifica com a
indenização paga em razão do “seguro de pessoa” previsto pelo art. 789 e ss. do CC/2002.
De fato, a indenização paga pelo “seguro DPVAT”, sobretudo quando ocorre a morte da vítima do
acidente automobilístico, também tem objetivo de atenuar os efeitos que a ausência do falecido
pode ensejar às finanças de sua família, revelando indubitável natureza alimentar.
Conforme a doutrina, “ao instituir a impenhorabilidade do seguro de vida, quis o legislador
assegurar a efetividade da proteção patrimonial que o segurado [ou, no caso do DPVAT, a própria lei
instituidora] desejou destinar aos beneficiários; o valor devido pela empresa seguradora a esse
título não é penhorável por dívidas destes nem do espólio ou do autor da herança, porque em
qualquer dessas hipóteses tal intuito estaria frustrado”.
Forçoso concluir que o “seguro de vida” e o “seguro DPVAT”, previsto nas Leis Federais n.
6.194/1974 e 8.374/1991, longe de evidenciar natureza e objetivos distintos, em verdade guardam
estreita semelhança, sobretudo no que se refere à finalidade de sua indenização, motivo pelo qual é
inafastável, tanto para um quanto para o outro, a impenhorabilidade ditada pela lei processual – ubi
eadem ratio ibi eadem dispositio. Não se trata, pois, de aplicação analógica do dispositivo legal,
senão o enquadramento do “seguro DPVAT” dentro da previsão contida na lei processual.
PROCESSO REsp 1.909.451-SP, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, Quarta Turma, por
unanimidade, julgado em 23/03/2021
RAMO DO DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL
TEMA Apelação. Art. 1.013 do CPC/2015. Efeito devolutivo. Extensão. Pedido
14
recursal. Capítulo não impugnado. Trânsito em julgado. Proibição de
reformatio in pejus. Contraditório. Indispensabilidade.
DESTAQUE
A extensão do efeito devolutivo da apelação é definida pelo pedido do recorrente e qualquer
julgamento fora desse limite não pode comprometer a efetividade do contraditório, ainda que se
pretenda aplicar a teoria da causa madura.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR
A apelação visa à obtenção de novo pronunciamento sobre a causa, com reforma total ou parcial
da sentença do juiz de primeiro grau. Nessa extensão, conforme a doutrina, “as questões de fato e de
direito tratadas no processo, sejam de natureza substancial ou processual, voltam a ser conhecidas e
examinadas pelo tribunal”.
Esse recurso é interposto contra sentença (art. 1.009, caput, CPC/2015), podendo
compreender todos, ou apenas alguns, itens ou capítulos da decisão judicial recorrida, a depender
da delimitação apresentada pelo recorrente na interposição do apelo, limitando, assim, a atuação do
órgão ad quem na solução do mérito recursal.
O diploma processual civil de 2015 é suficientemente claro ao estabelecer que “a apelação
devolverá ao tribunal o conhecimento da matéria impugnada”, cabendo o órgão ad quem apreciar e
julgar “todas as questões suscitadas e discutidas no processo, ainda que não tenham sido
solucionadas, desde que relativas ao capítulo impugnado” (art. 1.013, § 1º, do CPC/2015).
Assim, o efeito devolutivo da apelação define o que deverá ser analisado pelo órgão recursal. O
“tamanho” dessa devolução se definirá por duas variáveis: sua extensão e sua profundidade. A
extensão do efeito devolutivo é exatamente a medida daquilo que se submete, por força do recurso,
ao julgamento do órgão ad quem.
Dentro do âmbito da devolução, o tribunal poderá apreciar todas as questões suscitadas e
discutidas no processo, ainda que não tenham sido solucionadas pela sentença recorrida, mas a
extensão do que será analisado é definida pelo pedido do recorrente. Em seu julgamento, o acórdão
deverá se limitar a acolher ou rejeitar o que lhe for requerido pelo apelante, para que não haja
ofensa ao princípio da disponibilidade da tutela jurisdicional e o da adstrição do julgamento ao
pedido.
Sobre o capítulo não impugnado pelo adversário do apelante, e que eventualmente a reforma
pudesse significar prejuízo ao recorrente, incide a coisa julgada. Assim, não há se pensar em
reformatio in pejus, já que qualquer providência dessa natureza esbarraria na res iudicata.
Ademais, é intuitivo concluir que a solução de questão estranha ao que fora estabelecido pelo
recorrente – mesmo que exclusivamente referente à matéria de ordem pública -, ao ensejo de decidir
o processo ou algum incidente no seu curso, comprometerá a efetividade do contraditório.
Cumpre acrescentar, por oportuno, outro viés impeditivo do julgamento pelo órgão ad quem fora
15
dos limites apresentado pelo autor do recurso, sem que haja respeito ao contraditório. É que, ainda
que se pretenda valer-se da teoria da causa madura, prestigiada de modo explícito no § 3º do art.
1.013 do CPC/2015, a falta do contraditório acerca da questão decidida se apresentaria como
barreira ao próprio cumprimento daquela teoria.
Conforme nos ensina a doutrina, para considerar-se madura a causa não basta, por exemplo, que
a questão de mérito a ser decidida seja apenas de direito. “Mesmo que não haja prova a ser
produzida, não poderá o Tribunal enfrenta-lo no julgamento da apelação formulada contra a
sentença terminativa, se uma das partes ainda não teve oportunidade processual adequada de
debater a questão de mérito. Estar o processo em condições de imediato julgamento significa, em
outras palavras, não apenas envolver o mérito da causa questão só de direito que se deve levar em
conta, mas também a necessidade de cumprir o contraditório”
16
QUINTA TURMA
PROCESSO RHC 123.402-RS, Rel. Min. Reynaldo Soares da Fonseca, Quinta Turma, por
unanimidade, julgado em 23/03/2021
RAMO DO DIREITO DIREITO PENAL
TEMA Cannabis sativa l. Cultivo para tratamento individual. Salvo-conduto. Não
cabimento. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Análise
técnica.
DESTAQUE
É incabível salvo-conduto para o cultivo da cannabis visando a extração do óleo medicinal, ainda
que na quantidade necessária para o controle da epilepsia, posto que a autorização fica a cargo da
análise do caso concreto pela ANVISA.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR
Os Tribunais Superiores já possuem jurisprudência firmada no sentido de considerar que a
conduta de importar pequenas quantidades de sementes de maconha não se adequa à forma
prevista no art. 33 da Lei de Drogas, subsumindo-se, formalmente, ao tipo penal descrito no art.
334-A do Código Penal, mas cuja tipicidade material é afastada pela aplicação do princípio da
insignificância.
O controle do cultivo e da manipulação da maconha deve ser limitado aos conhecidos efeitos
deletérios atribuídos a algumas substâncias contidas na planta, sendo certo que a própria Lei n.
11.343/2006 permite o manejo de vegetais dos quais possam ser extraídas ou produzidas drogas
para fins medicinais ou científicos, desde que autorizado pela União.
No atual estágio do debate acerca da regulamentação dos produtos baseados na Cannabis e de
desenvolvimento das pesquisas a respeito da eficácia dos medicamentos obtidos a partir da planta,
não parece razoável desautorizar a produção artesanal do óleo à base de maconha apenas sob o
pretexto da falta de regulamentação. De mais a mais, a própria agência de vigilância sanitária federal
já permite a importação de medicamentos à base de maconha, produzidos industrial ou
artesanalmente no exterior.
Entretanto, tal autorização depende de análise de critérios técnicos que não cabem ao juízo
criminal, especialmente em sede de habeas corpus. Essa incumbência está a cargo da própria
Agência Nacional de Vigilância Sanitária que, diante das peculiaridades do caso concreto, poderá
autorizar ou não o cultivo e colheita de plantas das quais se possam extrair as substâncias
necessárias para a produção artesanal dos medicamentos.
Assim, a melhor solução é, inicialmente, submeter a questão ao exame da autarquia responsável
pela vigilância sanitária para que analise o caso concreto e decida se é viável a autorização para
cultivar e ter a posse de plantas de Cannabis sativa L. para fins medicinais, suprindo a exigência
contida no art. 33 da Lei n. 11.343/2006, e, em caso de demora ou de negativa, apresentar o tema ao
17
Poder Judiciário, devendo o pleito ser direcionado à jurisdição cível competente.
PROCESSO RMS 57.740-PE, Rel. Min. Reynaldo Soares da Fonseca, Quinta Turma, por
unanimidade, julgado em 23/03/2021
RAMO DO DIREITO DIREITO PROCESSUAL PENAL
TEMA Mandado de busca e apreensão. Empresa investigada. Pessoa que se
apresenta como representante. Consentimento expresso. Validade. Teoria
da aparência.
DESTAQUE
É válida a autorização expressa para busca e apreensão em sede de empresa investigada dada por
pessoa que age como sua representante.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR
Cinge-se a controvérsia a saber sobre a validade da autorização para cumprimento de mandado
de busca e apreensão dada por pessoa que, embora tenha deixado de ser sócia formal de empresa,
continua assinando documentos, possui a chave do escritório e apresenta-se como responsável para
as autoridades policiais.
A teoria da aparência, quando cabível, valida a autorização expressa para a realização de busca e
apreensão em sede de empresa investigada.
Vale ressaltar que, embora tal teoria tenha encontrado maior amplitude de aplicação
jurisprudencial na seara civil, processual civil e no Código de Defesa do Consumidor, nada há que
impeça sua aplicação também na seara penal.
Contudo, para sua aplicação, há de reforçar a necessidade de conjugação da boa-fé com o erro
escusável e alguns requisitos essenciais. Segundo a doutrina, são seus requisitos essenciais
objetivos: a) uma situação de fato cercada de circunstâncias tais que manifestamente a apresentem
como se fora uma situação de direito; b) situação de fato que assim possa ser considerada segundo a
ordem geral e normal das coisas; c) e que, nas mesmas condições acima, apresente o titular aparente
como se fora titular legítimo, ou o direito como se realmente existisse. São seus requisitos subjetivos
essenciais: a) a incidência em erro de quem, de boa-fé, a mencionada situação de fato como situação
de direito considera; b) a escusabilidade desse erro apreciada segundo a situação pessoal de quem
nele incorreu.
Assim, reputa-se válida a autorização de ingresso da autoridade policial no estabelecimento dada
por empregados da empresa, ou quem se apresenta como tal, observados os requisitos supracitados,
em face da teoria da aparência.

Fonte STJ