TJMS – Juiz treina adolescentes para a Semana da Conciliação

0
78
Print Friendly, PDF & Email

 

De 29 de novembro a 3 de dezembro, os tribunais de justiça de todo o país realizarão a Semana Nacional de Conciliação. Magistrados de primeiro e segundo graus mobilizam-se para oferecer  uma solução que atenda as partes, pacifique e demonstre a aproximação do judiciário com a sociedade.
 
Este ano, o Poder Judiciário de MS traz duas novidades: a primeira é o agendamento on-line de audiências e, para isso, a parte deve acessar o portal do TJMS (
www.tjms.jus.br), no link Semana da Conciliação. O agendamento eletrônico pode ser feito até o dia 12 de novembro.
 
A segunda inovação vem de Bandeirantes, onde o juiz  Fernando Moreira Freitas da Silva, titular da comarca, em um projeto inovador, está preparando alguns alunos do ensino médio  para atuar neste período. Os alunos foram escolhidos pelo critério redação e, posteriormente, pela entrevista.
 
Para iniciar o projeto Conciliar, o juiz estabeleceu parceria com o Ministério Público, Defensoria Pública, polícia e até Previdência Social – enfim, toda rede de instituições que estão envolvidas na Semana da Conciliação.
 
O juiz explica que a intenção é levar esses colaboradores para a área rural, cujo foco principal de atuação será a área de família: pensão alimentícia, divórcio, guarda de filhos, aposentadoria, além de pequenas disputas entre vizinhos.
 
“O projeto selecionou os 10 melhores estudantes da escola secundarista de Bandeirantes por meio de redação e entrevistas. Estes alunos estão sendo preparados com formação teórica e prática para realizarem a conciliação nas áreas rurais de Bandeirantes e Jaraguari. O entusiasmo é grande, já que a pretensão é iniciarmos os trabalhos in loco em novembro. Uma dado interessante: como o critério foi redação, não foi possível mesclar participantes do sexo masculino com o feminino, porque as meninas foram as melhores”, comentou o juiz.
 
Ao desenvolver projetos como esse, o juiz demonstra o empenho em aproximar a escola do Poder Judiciário, pois reconhece na instituição escolar uma interessante parceria para a pacificação social.

Autoria do Texto: Departamento de Jornalismo