TJMS – Juíza recebe moção em reconhecimento a prêmio de Direitos Humanos

Print Friendly, PDF & Email
A juíza coordenadora da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar de MS, Jacqueline Machado, recebeu da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul uma Moção de Congratulação, após ser laureada, pelo Governo Federal, com o Prêmio Direitos Humanos 2018, na categoria Mulher, concedido em 21 de novembro, em Brasília.
A homenagem da Casa de Leis sul-mato-grossense partiu do presidente, o deputado estadual Junior Mochi, que apresentou para seus pares o pedido para homenagear a juíza que, de forma atuante, criou projetos para proteger as mulheres vítimas de violência praticadas por maridos, companheiros e namorados.
A homenagem destaca que, dos mais de 70 trabalhos inscritos, de todas as regiões do Brasil, na categoria Mulher, destacou-se o programa Mãos EmPENHAdas contra a Violência, que busca capacitar profissionais da área da beleza para orientar as clientes sobre seus direitos, previstos em lei.
“Diante dos excelentes resultados do projeto, com mais de 3.500 pessoas beneficiadas, resta claro que o aludido prêmio é mais do que merecido. Trata-se do reconhecimento por todo o empenho e dedicação demonstrados pela magistrada, na defesa dos direitos da Mulher”.
A juíza se diz orgulhosa de receber o reconhecimento pelo trabalho em prol das mulheres em situação de violência doméstica de MS. “O reconhecimento indica que esse projeto e todos os demais da Coordenadoria da Mulher estão fazendo a diferença na vida dessas mulheres. E, com certeza, podem fazer muito mais ainda”, disse.
Saiba mais – O programa Mãos emPENHAdas Contra a Violência é uma iniciativa inédita no país ao propor que profissionais da beleza sejam agentes no combate à violência doméstica e familiar contra a mulher.
Manicures, cabeleireiras e depiladoras são multiplicadoras de informações sobre todas as formas de violência doméstica e familiar contra as mulheres, como combater e denunciar os abusos. Os estabelecimentos parceiros têm um Selo de Parceria para identificar a participação na campanha.
Fonte TJMS
Compartihar