TRF-1ª – Acúmulo de cargos públicos independe do total de horas trabalhadas por semana.

0
78
Print Friendly, PDF & Email

Acúmulo de cargos públicos independe do total de horas trabalhadas por semana.

A 6ª Turma decidiu manter a sentença da 1ª instância que concedeu a uma servidora pública o direito de tomar posse no cargo de Técnico em Enfermagem no Hospital F. A.. O pedido havia sido negado administrativamente, por tratar-se de servidora ocupante de cargo de Técnico em Enfermagem na Secretaria de Saúde do Distrito Federal.



A União apelou ao TRF1 afirmando que a recusa da posse da impetrante se deu pela impossibilidade da acumulação de cargos com carga horária que excede as 60 (sessenta) horas semanais. A recorrente alega que a atual legislação trabalhista limita ao máximo de 60 (sessenta) horas semanais de ocupação em caso de acúmulo de cargos públicos. O ente público argumenta que seu entendimento é firmado nos arts. 7º, XIII e 39, § 3º da 
CF/88.



O relator, desembargador federal Kassio Nunes Marques, entendeu que como a impetrante requereu, e obteve, na Secretaria de Estado de Saúde do DF a redução da jornada de trabalho de 40 (quarenta) horas para 24 (vinte e quatro) horas por semana, o que está em questão é a possibilidade da acumulação dos referidos cargos públicos.



O magistrado citou o art. 37, XVI da Constituição Federal e a Lei nº 
8.112/90, art. 118, § 2º, que tratam da compatibilidade de horários, mas não fazem menção à carga horária. Referiu-se também, o desembargador, a entendimento do Superior Tribunal de Justiça, segundo o qual: “1. (…) é licita a acumulação de cargos públicos, bastando, tão somente, que o servidor comprove a compatibilidade entre os horários de trabalho, a teor do que preceitua o § 2º, do art. 118 da Lei nº 8.112/90. 2. Não há, ressalte-se, qualquer restrição quanto ao número total de horas diárias ou semanais a serem suportadas pelo profissional (…). (AgRg no REsp 1198868/RJ, Rel. Ministro Benedito Gonçalves, 1ª Turma, julgado em 03/02/2011, DJe 10/02/2011)”.



Por fim, o relator considerou que: “Apesar de não admitir esta Corte Regional a figura da posse precária, uma vez que a impetrante já está em exercício há 03 (três) anos (fl. 92), é de se respeitar a situação de fato consumado. Nesse sentido: AMS 0024443-58.2011.4.01.3300/BA (Rel. Desembargador Federal Jirair Aram Meguerian, Rel. Conv. Juíza Federal Hind Ghassan Kayath, 6ª Turma, e-DJF1 p. 965 de 19/07/2013)”.



A decisão foi unânime.



Processo nº 0013475-91.2010.4.01.3400/DF



Fonte: Tribunal Regional Federal da 1ª Região