TRF-3 inaugura processômetro do mutirão judiciário em dia

0
81
Print Friendly, PDF & Email

 

O presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, desembargador federal Roberto Haddad, e o ministro Francisco Falcão, corregedor-geral da Justiça Federal, lançaram ontem, 18 de outubro, o “processômetro”, um instrumento eletrônico de controle que medirá, em tempo real, a quantidade de julgamentos realizados durante o mutirão Judiciário em Dia, que tem a meta de julgar até março de 2011, mais de 80 mil processos.

O objetivo deste indicador, que estará disponível na página do Tribunal, no site www.trf3.jus.br, é que a sociedade brasileira fiscalize de perto e com segurança a quantidade de processos e recursos julgados pelas Turmas que compõem o mutirão.

De acordo com o ministro Francisco Falcão, a intenção do processômetro é garantir a transparência no cumprimento das metas instituídas pelo projeto. Para ele, essa é uma segunda etapa da implantação do mutirão na 3ª Região, “que é a divulgação dos resultados na internet, para que a população possa acompanhar o que está se fazendo em termos de julgamento e até fiscalizar esses julgamentos”, afirma o ministro.

O presidente do TRF3, desembargador federal Roberto Haddad, afirmou que o objetivo do processômetro é informar a população, dando transparência ao trabalho desenvolvido pelo mutirão Judiciário em Dia, que beneficiará grande quantidade de jurisdicionados. “Envidamos incansáveis esforços no sentido de que seja cumprido não só o que está contido no planejamento, com o auxílio e a solidariedade dos colegas, mas indo até além da meta”, conclui.

O mutirão Judiciário em Dia é uma parceria do Tribunal Regional Federal da 3ª Região com a Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Corregedoria-Geral da Justiça Federal do Conselho da Justiça Federal (CJF), e o seu objetivo é a diminuição do acervo do Tribunal, com a agilização do julgamento de processos, principalmente previdenciários, que tratam de assuntos como aposentadoria urbana, auxílio doença, aposentadoria por invalidez, aposentadoria rural, entre outros temas.


Fonte: Tribunal Regional Federal da 3ª Região